MORTE POR ACIDENTE DE MOTO: UM PROBLEMA DE SAÚDE PUBLICA

Vinícius Alberto Nascimento de Brito

Sâmarah Andrade Oliveira

Tiago Goes Rebouças Souza

Marcus Felipe Gonçalves Feitosa

Yanne Viana Souza

Larissa Keylla Almeida de Jesus

Dênison Pereira da Silva

Sonia Oliveira Lima

INTRODUÇÃO: Nos últimos anos, é notável uma crescente utilização de veículos de duas rodas, principalmente associados a acidentes com vítimas graves ao longo dos anos e, às vezes, com desfecho fatal. Além da mortalidade provocada por esses acidentes, é observada também uma grande morbidade associada a eles, o que faz deles um grande problema de saúde pública mundial. O intuito deste estudo é avaliar se as características desses óbitos se assemelham ou apresentam particularidades em relação à de outros estados do Brasil e do mundo.

OBJETIVOS: Avaliação do perfil sociogeodemográfico das vítimas de morte violenta por acidente de motocicleta no estado de Sergipe no período de 12 meses.

MÉTODOS: Estudo prospectivo, transversal, baseado nos dados de mortes violentas por acidentes de moto encaminhadas ao Instituto Médico Legal na cidade de Aracaju-SE. A amostra foi coletada por estudantes de medicina, através do preenchimento de formulário previamente elaborado, em forma de busca ativa, mediante coleta dos dados contidos nos atestados de óbito e outros dados obtidos em entrevista com os familiares dos falecidos. A análise para avaliação das variáveis categóricas foi realizada através de tabulação dos dados em tabelas pré-elaboradas e auto-completáveis no Microsoft Excel. Posteriormente a essa tabulação os dados foram transferidos para o programa SPSS, no qual foi feita a contagem dos dados em números absolutos e relativos.

RESULTADOS: No período de estudo ocorreu 2157 óbitos, destes 512 (23,6%) por acidentes de motocicletas, sendo 92,4% do sexo masculino. 57,8% dos indivíduos eram solteiros, e 80,7% tinham menos de 50 anos. Todos os acidentes ocorreram em vias públicas e 51,8% dos óbitos ocorreram no hospital. Em 61,8% dos casos a zona de ocorrência foi urbana e em 49,2% deles ocorreram no leste Sergipano.

CONCLUSÃO: No estado de Sergipe o óbito por acidentes de motocicletas foi mais frequente em jovens do sexo masculino o que segue o panorama nacional. A maior concentração dos óbitos ocorreu no litoral próximo à capital.

REFERÊNCIAS:

SORIANO, E. P. Violência no trânsito: uma década de vidas perdidas em acidentes motociclísticos no Brasil. Derecho y Cambio Social. 01 jan. 2013, Disponível em: < http://www.derechoycambiosocial.com/revista031/Viol%C3%AAncia_no_tr%C3%A2n sito.pdf >. Acesso em: 27 nov. 2014

ALENCAR, J. H. G., et al., Caracterização das vítimas de acidentes motociclísticos do município de aracaju atendidas por um serviço de atendimento móvel de urgência no ano de 2011, Revista Ciências Biológicas e da Saúde, Aracaju, Sergipe. v. 2, n.2, p. 31-44, 2014.

Martins RHG, Ribeiro CBH, Fracalossi T, Dias NH. A Lei Seca cumpriu sua meta em reduzir acidentes relacionados à ingestão de álcool? Rev Col Bras Cir. [periódico na Internet] 2013;40(6). Disponível em URL: http://www.scielo.br/rcbc

VIEIRA, R. C. A et al., Levantamento epidemiológico dos acidentes motociclísticos atendidos em um Centro de Referência ao Trauma de Sergipe. Rev. esc. enferm. USP., São Paulo; 45(6):1359-63, Dec, 2011.