MORTES POR ACIDENTE DE TRABALHO NO ESTADO DE SERGIPE

Larissa Keylla Almeida de Jesus (1),

Gabriela Gomes Moura de Oliveira (2),

Danilo Rabelo (3),

Marcella Menezes Machado (2),

Danillo Primo Andrade Santana (4),

Matheus de Souza Nogueira (2),

Flávio Mateus do Sacramento Conceição (4),

Vitor Joaquim Barreto Fontes (4),

Vívian Fernandes dos Santos (3),

Sonia Oliveira Lima (5)

1 Enfermeira, Professora, Mestre do Programa de Pós-graduação em Saúde e Ambiente, Universidade Tiradentes /UNIT, Aracaju/SE, Brasil.

2 Acadêmicos de graduação do curso de Medicina da Universidade Tiradentes – UNIT, Aracaju/SE, Brasil.

3 Acadêmico de graduação do curso de Medicina da Faculdade de Tecnologia e Ciência – FTC, Salvador/BA, Brasil

Acadêmico de graduação do curso de Medicina da Universidade Federal – UFS, Aracaju/SE, Brasil.

5 Orientadora, Doutora/ Professora Departamento de Medicina Membro permanente do Mestrado e Doutorado do Programa Saúde e Ambiente, Universidade Tiradentes/UNIT, Aracaju/SE, Brasil.

Acidente que ocorre pelo exercício do trabalho ou a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause morte, perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho tem impacto socioeconômico na realidade de um país e  gera perdas de anos potenciais de vida produtiva1,2. Desse modo, objetivou-se traçar o perfil epidemiológico dos óbitos por acidentes de trabalho ocorridos no estado de Sergipe, no período entre abril de 2014 e abril de 2015.

METODOLOGIA: estudo epidemiológico, observacional, prospectivo, qualitativo e quantitativo, decorrente da análise dos óbitos por causas externas encaminhados ao Instituto Médico Legal da cidade de Aracaju/ SE. A amostra foi coletada por estudantes de medicina e do mestrado, em forma de busca ativa, mediante os dados colhidos nos atestados de óbito e por entrevistas com os familiares das vítimas.

RESULTADOS: Ocorreram 2157 óbitos, destes 14 foram vítimas de acidentes de trabalho, sendo todos do sexo masculino. Os óbitos ocorreram principalmente na faixa adulto jovem 12 (85,7%), de etnia parda 10 (71,4%), católicos 7 (50%), solteiros 9 (64,3%) e com grau de instrução até 1ª a 9ª série 10 (71,4%). Na zona urbana ocorreram 5 (35,7%) e rural 9 (64,3%) dos eventos. A mesorregião do Leste Sergipano, onde está situada a capital Aracaju, foi a mais acometida com 12 (85,7%) casos.

CONCLUSÃO: No estado de Sergipe esse agravo representou 0,64% de mortes violentas, com predominância em adultos jovens do sexo masculino.

CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os acidentes de trabalho expressam um importante problema de saúde pública, pois afetam a produção e a economia devido aos custos previdenciários e dias de trabalho perdidos que ocasionam. Representa uma perda evitável de vidas na idade produtiva gerando um grande transtorno, tanto do ponto de vista econômico para o estado, como emocional e financeiro para os familiares.

REFERÊNCIAS:

1 International Labour Organization. Global trends and challenges on occupational safety and health. Istambul; 2011.

2 Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Pragmáticas Estratégicas. Notificação de acidentes do trabalho fatais, graves e com crianças e adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde; 2006. 32 p