PATOLOGIA FORENSE SENDO DETERMINANTE NO DIAGNÓSTICO DE GRAVIDEZ EM MULHER VÍTIMA DE MORTE POR FERIMENTO POR ARMA DE FOGO

Anderson da Silva Costa (1)

 Luís Gustavo Ferreira Cortes (2)

Renato Evando Moreira Filho (1)

Ana Leopoldina Nogueira Rocha (1)

Manuela Chaves Loureiro Cândido (3)

Victor Hugo Medeiros Alencar (1)

Ricardo Antônio Macêdo Lima (3)

Átila Einstein de Oliveira (3)

Antonio Carlos Cabral Uchoa Oliveira (1)

(1) Médico Perito Legista PEFOCE

(2) Médico Patologista

(3) Perito(a) Criminal PEFOCE

RESUMO

Introdução: pericianda é uma mulher de 32 anos que foi vítima de assassinato por arma de fogo. Durante a necropsia, seu útero foi enviado para análise histopatológica para analisar possível gravidez, mesmo sem relato de familiares. Necessitava-se com isso uma confirmação anatomopatológico sobre a causa morte.

Metodologia: no exame anatomopatológico são realizados os exames macroscópicos em cortes de fatias de tamanhos em cm ou mm e observados à lupa e após isso fabricados lâminas histológicas para observação microscópicas. Nesse caso, foi recebido material em recipiente contendo solução fixadora, formol a 10%. Recebido material em recipiente contendo solução fixadora identificado como ” útero” , ” ovário E ” e ” saco gestacional”. Macroscopia: Consta de útero medindo 6,5 x 7,0 x 2,5 cm, previamente seccionado, apresentando na cavidade uterina tecido de aspecto membranáceo. Acompanha ovário medindo 5,0 x 4,0 x 3,0 cm. Aos cortes presença de lesão cistíca gelatinoso medindo 3,0 x 7,0 cm.Legenda: cap. 1 – útero; cap. 2- membrana, placenta (2F); cap. 3 – lesão ovariana (2F). Total: 3 cápsulas C/R .Microscopia: Secções mostram útero parcialmente autolisado com endométrio decidualizado. Na cavidade endometrial, presença de placenta imatura e nódulo do sítio de implantação trofoblástica aderidos. No ovário, presença de cisto circunscrito por células luteinizadas.Resultados: útero gravídico contendo placenta de padrão de primeiro trimestre gestacional. – cisto de corpo lúteo ovariano.

Conclusão: Após os resultados patológicos, foi confirmado gravidez pelo exame anatomopatológico, fato que muda completamente a tipificação penal e com isso cooperando para a magnificência da justiça, podendo contribuir para penalidade à violência contra a mulher e ratificando a importância da patologia forense.