PERÍCIA EM GESTÃO DE ERGONOMIA

 

Thiago Alves Oliveira (1)

Edgard de Oliveira Neto (2)

Luiz Marcelo Marcondes Coelho de Oliveira (2)

 Vilson Paulo Tauffer (2)

Ana Carolina Parise Diniz (3)

(1) Médico do Trabalho Coordenador , Hyundai Motor Brasil, Piracicaba, Brasil

(2) Médico do Trabalho , Hyundai Motor Brasil, Piracicaba, Brasil

(3) Ergonomista , Hyundai motor Brasil, Piracicaba, Brasil

 

RESUMO

  1. Introdução e Objetivo

A ergonomia é uma base para a proposta de melhoria contínua dos processos produtivos, contudo diferentemente da qualidade, que é uma exigência de mercado através das Normas ISO da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a ergonomia tem força de lei por meio da Norma Regulamentadora 17 (NR17), do Ministério do Trabalho e Emprego [1]. A exigência legal ocorre porque as condições de trabalho podem colocar em risco a integridade física e mental dos trabalhadores. Por isso a NR17 visa “estabelecer parâmetros que permitam à adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente” [2], o que deve ser um ponto na análise pericial verificando de forma sistêmica o interesse em preservar a saúde dos funcionários através das melhores posturas e ações nas atividades laborais , e não somente focar no posto de trabalho, que por muitas vezes está modificado pela modernização e o passar do tempo .

Há uma evidência de que as melhorias da Ergonomia trazem, efetivamente, benefícios para os processos produtivos e saúde dos funcionários. Isso ocorre em termos de melhorias em diversos aspectos do processo, tais como: produtividade, qualidade da produção, redução de erros, moral dos trabalhadores [1]. Estes benefícios podem ser apontados por meio do levantamento, controle e apresentação de dados do Sistema de Gestão em Erg omia, como mostrado nos estudos de Lahoz e Varella [3][4]. Desta forma este estudo tem como objetivo apresentar as atividades relacionadas ao Sistema de Gestão em Ergonomia em uma automobilística, para se fazer uma perícia evidenciando os benefícios aos trabalhadores.

  1. Metodologia

Com base na Ergonomia da Atividade no Procedimento Especial PE-342.03 da ABNT [5], evidenciou-se a necessidade de análise de todo o procedimento interno de Gestão em Ergonomia, formalizando assim as ações do Sistema de Gestão em Ergonomia, que são: gestão e elaboração da Análise Ergonômica do Trabalho; investigação e controle de queixas ergonômicas no ambulatório médico; levantamento, controle e andamento do plano de ação das áreas produtivas e administrativas; verificação, controle e validação das melhorias ergonômicas;  gestão do Comitê e Subcomitês de Ergonomia; participação em projetos e aplicação da ergonomia de concepção; acompanhamento de funcionários reinseridos; treinamentos de ergonomia; gestão das análises ergonômicas das empresas subcontratadas; gestão do programa de ginástica laboral; integração de novos funcionários; gestão da comunicação interna sobre ergonomia.

  1. Resultados

Ao realizar uma perícia em Sistema de Gestão em Ergonomia consegue-se avaliar o interesse e real valor dado pela empresa no cuidado da saúde dos funcionários, e no momento da análise pericial do objeto da perícia, consegue verificar se o verificado no local realmente faz parte de um processo de cuidados com a saúde do trabalhador ou se apenas este local de trabalho analisado está melhorado , estruturado para a alegação proposta. Sendo importante na avaliação estabelecer rotinas, documentar e quantificar de forma sistemática e padronizada as boas práticas ou não da gestão ergonômicas da empresa.

  1. Conclusão

Percebemos que analisar a gestão da ergonomia da empresa numa perícia , lhe traz informações globais que auxiliam os operados do direito e magistrados e terem maior conhecimento e embasamento para decidir a causa, bem como pode perceber os p ntos de falhas a serem corrigidos pela empresa, com foco na saúde coletiva.

Palavras-chave: Ergonomia, Gestão, Sistema. Referências