IMPORTÂNCIA DA GONIOMETRIA NA PERÍCIA MÉDICA

Fernanda Sobral Scaramussa (1)
Luiz Fernando Segura (1)
Gabriel Carmona Latorre (2)
Viviam Paula Lucianelli Spina (3)

¹ Médico residente em medicina legal e perícias médicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

² Médico ortopedista graduado e especialista pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

³ Médico perito do Instituto de Medicina Social e Criminologia de São Paulo

Contato: Tel: +55 18 98131-0752; e-mail : luiz.fsegura@hc.fm.usp.br

 

As medidas de amplitude de movimento (ADM) são amplamente utilizadas na propedêutica médico-pericial, principalmente na apuração de danos corporais. É de extrema relevância que as aferições sejam precisas, fidedignas e reprodutíveis para que os valores apurados reflitam a perda real das limitações apresentadas. O instrumento para essa aferição, o goniômetro (junção de duas palavras gregas: Gonio, que significa ângulo, e Metria, que quer dizer medida) tem sido utilizado em vários laudos periciais e em trabalhos por sua grande confiabilidade e reprodutibilidade das medidas (1) imprescindíveis para apurar corretamente a angulação, podendo enquadrar o dano nas tabelas (baremas) de uso médico-legal. Pouca informação pode ser encontrada na literatura comparando a acuidade das medidas articulares com e sem o uso do aparelho (2). Utiliza-se o método de Norkin e White (1997) ou alternativamente o método de estimativa visual da American Academy Orthopaedic Surgeons (AAOS). O baixo custo do instrumento e a fácil utilização tornam o método excelente, entretanto, os estudos demonstraram que as medidas dependem não só da experiência, mas também do treinamento dos examinadores (3). Este foi um estudo comparativo entre o método de estimativa visual e o padrão goniométrico das ADM do cotovelo, ombro e joelho com dez médicos residentes de Medicina Legal e dois preceptores, onde analisaram 19 fotos correspondentes à ADM de um único indivíduo em diferentes angulações. Foram registradas em folha específica os valores das angulações referentes à estimativa visual realizada por eles, comparando com os valores obtidos através da aferição pelo goniômetro digital. Encontrou-se maior discordância (delta de variação) entre os médicos na escala visual, quanto mais próximo do eutrófico (maiores angulações), maior a discrepância do aferido quanto maior à articulação (delta variação cotovelo e ombro 35 e 33 vs 46 pontos de joelho) e ocorreu uma superestimação e subestimação do dano, respectivamente. Dessa forma, verifica-se que o uso do goniômetro permitiu a aferição exata e real da amplitude do movimento articular, sendo um instrumento de precisão na apuração do dano corporal na perícia médica, no exercício da Lex artis da Doutrina Médico-Legal.